sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Motivo de Cecília Meireles

Motivo

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei.
Não sei se fico ou passo.

Sei que canto.
E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

O Amor de J.L. Lorda.

A grande escola é o Amor;
as exigências do Amor levam a grandes Heroismos. 
Quando a Amor é verdadeiro, o sacrifício não dói; 
o Amor faz estimar como bem próprio aquilo que é um dever.

J. L. Lorda

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

As Nossas Descobertas

Na Dor descobrimos a Saúde.
Na Tristeza descobrimos a Felicidade.
No grande e belo céu descobrimos a Estrela.

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Poema de Fernando Pessoa

Image and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPic
Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego…

Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece…

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente…

Fernando Pessoa
Image and video hosting by TinyPic

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Dia Chuvoso

Image and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPic
Dia Chuvoso

A chuva fina polvilhando a Terra
Como cortina húmida de seda,
Atrás de si o sol radiante encerra;
Pinta de cinza o mundo em sua queda;
Confina a vida aos casacões de lã;
E nos convida à improdutividade:
Quem sabe os planos deixar para amanhã?
Pro outro ano? Ou para eternidade?
O tempo passa enquanto a chuva cai,
E a Terra abraça a água, e se embriaga,
E balbucia um poema de amor;
E a chuva embebe (enquanto o tempo vai)
Quem não percebe qual torrente o traga:
Se a chuva fria ou sua própria dor...

Ederson Peka
Image and video hosting by TinyPic

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Poema-Chuva

Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
A Chuva

O que chove?
É chuva de vida
ou de pensamento?
Se chove tanto,
chovesse mais...
Mais que chuva,
mais que vento:
chovesse Céu.

Chovesse o Céu, eu voaria?
Ventaria feito papel?
Se eu voasse, nadaria?
Ou eu, pipa levada ao léu,
da chuva me encharcaria,
à mesma força que me nasceu?

Que chuva chove?
Se é de vida,
chovesse o Céu!

Céla de Lima

Image and video hosting by TinyPic

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Poema do Dia das Bruxas,Halloween

Batem os sinos fortemente
As corujas já voam no ar
Lá ao longe está o bosque
Ouvem-se as carroças, andar
Na luz da lua feiticeira, voam
Bruxas e feiticeiros nas vassouras
As gargalhadas estridentes no ar
Nada os faz parar, rindo de tudo
Morcegos, cobras e lagartos
Bosta de morcego, entranhas 
Vísceras descompostas, horrendas
Tudo serve no caldeirão mágico
Fumo se espalha no ar, todos tremem
O medo assola a cidade, as crianças!
Cuidado! É que as bruxas as vão levar
Tranquem as porta, alhos espalhados 
Nada os detém é noite de Halloween
Vôos rastejantes, risos bem marcantes
Vestes negras, olhos pintados, unhas pretas
Dentes podres, hálito de gambá, pum!
È noite dos mortos, fantasmas andam a solta
Susto ou docinho? Ou apenas um ovo partido?
Farinha, quem sabe ao forreta da rua, rápido!
Que a noite já está indo, com ela as bruxas
Já vão dormindo até ao próximo Halloween!

Beti Martins